Crianças sequestradas pelo pai e encontradas mortas estavam abraçadas, diz polícia

Jovem de 23 anos sumiu com os filhos, de 1 e 3 anos, após buscá-los na creche. Rapaz foi visto comprando uma corda em uma loja agropecuária, em Boituva (SP). Vítimas foram achadas em uma propriedade rural no sábado (22).

0
218

Os irmãos Gustavo Santos, de 3 anos, e Bernardo Alves, de 1 ano, que foram encontrados mortos no sábado (22), em Boituva (SP), estavam abraçados ao lado de uma árvore em uma propriedade rural, informou a Polícia Civil.

Ainda de acordo com a polícia, o pai das crianças, Raí Santos, de 23 anos, foi encontrado enforcado na árvore perto dos meninos. Uma corda foi localizada no local.

Segundo o delegado Carlos Antônio Antunes, a suspeita é de que Raí tenha matado uma criança por vez e, em seguida, colocou os filhos abraçados um ao outro, pois tinham costume de dormir juntos.

De acordo com a polícia, o rapaz estava sumido com as crianças desde quinta-feira (20) após sequestrar os filhos e ameaçar a ex-mulher. A jovem registrou boletim de ocorrência e denunciou o caso, que passou a ser investigado como sequestro.

Uma equipe do Canil de Tatuí (SP) foi quem encontrou as vítimas durante buscas realizadas no sábado com o apoio da Guarda Civil Municipal.

A perícia técnica foi acionada e o local foi isolado. Ainda conforme a Polícia Civil, os laudos que vão apontar a causa da morte das crianças devem sair nos próximos dias.

“Só com o laudo do IML vamos saber se ele realmente enforcou ou esganou, até porque uma das cordas estava pendurada em uma das árvores, mas, como só os peritos podem mexer, não sabemos ainda se há marca da corda no pescoço das crianças”, comenta o delegado.

Além do laudo, a polícia vai solicitar um exame toxicológico para saber se Raí dopou as crianças para que não sentissem dor.

Raí Santos, de 23 anos, estava sumido desde quinta-feira (20), em Boituva — Foto: Arquivo Pessoal

Enterro

Os irmãos Gustavo e Bernardo foram enterrados na tarde de domingo (23), no Cemitério da Saudade, sob forte comoção. Uma das tias dos meninos desmaiou no momento em que os caixões chegaram.

O velório foi acompanhado somente pela família e funcionários da escola onde as duas crianças estudavam.

O pai dos meninos, Raí, também foi enterrado no domingo, mas não houve velório por questões de segurança. A Guarda Civil Municipal fez a escolta do carro funerário, já que moradores, revoltados com o crime, ameaçaram depredar o caixão. A família de Raí acompanhou o enterro.

A Prefeitura de Boituva decretou luto oficial de três dias na cidade. A escola onde as crianças estudavam está funcionando em esquema de plantão, porém os pais que não têm como ficar com os filhos podem levar as crianças até a creche. A prefeitura também vai disponibilizar psicólogos para a família das vítimas.

Sequestro
De acordo com a Polícia Civil, a mãe das crianças contou que o rapaz discutiu com ela na quinta-feira por não aceitar o fim do relacionamento e a ameaçou de morte.

Minutos depois o rapaz foi até a creche, pegou os meninos, passou em uma loja que vende produtos agropecuários, comprou uma corda e, desde então, não tinha sido mais visto, conforme afirma o delegado.

“As informações que foram passadas é que o pai tinha liberdade de buscar os filhos na escola e falou que ia pescar com eles. Só que não foi mais visto e, segundo a ex-mulher, ele tinha feito ameaças e falou que tinha intenção de matar os filhos”, disse Carlos Antunes no dia do sumiço.

Segundo o delegado, parentes das crianças foram ouvidos na sexta-feira (21). Buscas começaram a ser feitas no Parque das Árvores pelos bombeiros após um motorista de táxi afirmar à polícia que deixou o jovem no local onde existem áreas de mata fechada e represas.

“O taxista só disse que ele passou nessa loja e depois deixou os três no bairro onde tem lagos e passa o Rio Sorocaba. O rapaz tem antecedentes por tráfico de drogas e chegou a informação que é usuário de drogas”, afirma o delegado.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui